STRESS OCUPACIONAL: OS ESTRESSORES E A ERGONOMIA ORGANIZACIONAL

PATRÍCIA DA SILVA SOARES, GISELE AMARAL CINTRA PEDROSO, ILUSKA LOBO BRAGA

Texto completo:

PDF

Referências


ASSUNÇÃO, A. A.; LIMA, F.P.A. A contribuição da ergonomia para a identificação, redução e eliminação da nocividade do trabalho. Ed. Atheneu, 2003, Rio de Janeiro.

DOBREVA, Martinova, T., Villeneuve, M., Strickl and, L., & Matheson, K. (2002). Occupational role stress in the Canadian forces: Its association with individual and organizational well being. Canadian Journal of Behavioural Science, 34, 111, 121.

FALZON, P. Natureza, objetivos e conhecimentos da ergonomia: elementos de uma análise cognitiva da prática. In: FALZON, P. (Ed.). Ergonomia. São Paulo: Edgard Blucher, 2007. p. 3-19

IEA-INTERNATIONAL ERGONOMICS ASSOCIATION. (sitio eletrônico) Disponível em http://www.iea.cc/ . acessado em 26 de setembro de 2016.

McCOY, J.; EVANS, G. The Potential Role of the Physical Environment in Fostering Creativity. Creativity Research Journal, v. 14, n. 3 & 4, p. 409-426, 2002.

PARENT THIRION, A. et al. Fourth European Working Conditions survey. Dublin: European Foundation for the Improvement of Living and Working Conditions,

139p

ROSSI, A.; PERREWÉ, P.; MEURS, J. Stress e Qualidade de Vida no Trabalho: Stress Social – Enfrentamento e Prevenção. Editora Atlas. São Paulo, 2011.

STACCIARINI, Jeanne Marie R.; TRÓCCOLI, Bartholomeu T.. O Estresse na atividade Ocupacional do Enfermeiro. Ver. Latino-am Enfermagem março; 9(2): pp. 17.25. (2000).

SESI-Bahia, 2008. (Legislação Comentada). Disponível em http://docplayer.com.br/13696874-Legislacao-comentada.html. Acessado em 20 de setembro de 2016.

SLACK, Nigel; CHAMBERS,S.; JOHNSTON,R. Administração da Produção. 2ªed. São Paulo: Editora Atlas, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista FAROCIENCIA

ISSN 2359-1846

Indexadores: