AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE ESPÉCIES FLORESTAIS EM UM SISTEMA DE PRODUÇÃO MULTIESTRATIFICADO: O CASO DA ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DA CEPLAC DE OURO PRETO – RONDÔNIA – BRASIL

PÂMELA SEABRA DA COSTA, MILENA MAIA LIMA, ADRIANA PINTO SILVA, AMARILDO PINHEIRO VIRGULINO

Resumo


Este estudo objetivou analisar, caracterizar e comparar o desempenho de espécies florestais em um sistema de produção multiestratificado: o caso da ESEOP – RO, contemplando os aspectos econômico, social e ambiental. A metodologia obedeceu aos seguintes passos: delimitação da área de estudo, descrição do sistema de produção, levantamento de dados, modelagem de dados dendrométricos para avaliação dos resultados e VP de um povoamento. Os principais resultados extraídos da pesquisa foram que no SAF em questão, a mão de obra empenhada no manejo do sistema, são necessários 6, entre estes estão: pesquisador, engenheiros agrônomos e operários, que totaliza um custo mensal de 27,3 salários mínimos. A faixa etária dos funcionários do policultivo está entre 41 e 70 anos de idade. Com relação à quantidade de árvores restantes no SAF, das 32 árvores de cada espécie inicialmente plantadas no SAF, o Mogno Africano (Khaya senegalensis) teve uma maior perda do seu povoamento, já a Teca (Tectona grandis) foi a espécie que mais se desenvolveu nesse período de tempo, passou seu volume comercial de: 12,55 m³ para 21,56 m³, promovendo um efeito não evolutivo do volume médio das espécies florestais envolvidas, mas positivo, na ordem de: 2,88 m³. Com essa composição, o sistema promoveu uma renda ou um VP de R$ 5.839,55/ha em 2012, primeiro ano de análise, já em 2014, a renda do sistema resultou num montante negativo de R$ - (2.275,07)/ha, que correspondente ao valor da madeira disponibilizada no ciclo de desbaste, sem levar em consideração a renda a ser promovida pelas espécies frutíferas em consorte. Nesse sentido, conclui-se que é necessário se priorizar as pesquisas para busca de informações que possam confirmar que estes sistemas, são formas ecologicamente correta, socialmente benéfica e rentável ao produtor rural.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, C. M. V. C.; MATOS,P.G.G.; VIRGULINO,A.P.; LIMA,A.A.; XAVIER,I. P. Sistema Agroflorestal com cacaueiro e essências florestais na fazenda Santa Cecília, Ouro Preto do Oeste, Rondônia,Brasil:Abordagem Econômica. Revista Agrotrópica 22(1) 2010.

ANGELI, A. Identificação de espécies florestais Tectona grandis (Teca). 2003. Instituto de Pesquisa e Estudos Florestais. Departamento de Ciências Florestais ESALQ/USP. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2014.

ARIMA, E.; UHL, C. Pecuária na Amazônia Oriental: desempenho atual e perspectivas futuras. Série Amazônia n.1, p. 1-44, 1996.

CARVALHO, P. E. R. Espécies florestais brasileiras. Recomendações Silviculturais, potencialidades e uso da madeira. EMBRAPA-CNPF. Brasília. 1994.

CUNHA, U. S. Dendrometria e inventário florestal. Escola agrotécnica federal de Manaus. Manaus, 2004. 20p. Disponível em: http://engenhariaflorestal.jatai.ufg.br/uploads/284/original_dendroinv.pdf. Acesso em: 10 ago. 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Caracterização do Município: Ouro Preto do Oeste. Disponível em: . Acesso em: 03 ago. 2014.

OLIVEIRA, T. K. Sistemas agroflorestais: vantagens e desvantagens. EMBRAPA ACRE, 2003. Disponível em: . Acesso em: 15 mai. 2014.

PALANCIO. Mogno Africano: o plantio, cuidados e outras características. 2011. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2014.

SILVA, M. L. da; JACOVINE, L. A. G.; VALVERDE, S. R. 2005. Economia Florestal. 2ª Ed. – Viçosa, UFV, 178p.

SOUZA, D. B.; CARVALHO, G. S.; RAMOS E. J. A. Paricá Schizolobium amazonicum Huber ex Ducke. Informativo Técnico Rede de Sementes da Amazônia. Benevides, 2005. 13p. Disponível em: . Acesso em: 04 set. 2014.

VIRGULINO, A. P. Gestão integrada sustentável de sistemas agroflorestais com cacaueiro: um estudo do Projeto de Assentamento Dirigido Burareiro. 2008. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente) – Fundação Universidade Federal de Rondônia, Núcleo de Ciência e Tecnologia. Porto Velho.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário

Direitos autorais 2018 Revista FAROCIENCIA

ISSN 2359-1846

Indexadores: